Skip to main content
planejamento financeiro familiar

Planejamento financeiro familiar: 8 dicas para colocar em prática!

Para atravessar o momento de crise que o Brasil vive atualmente — e até mesmo nas fases de bonança — é fundamental fazer um bom planejamento financeiro familiar. Como você já sabe, trata-se de um período no qual reduzir despesas é imprescindível. Para atingir esse objetivo existem algumas estratégias bem práticas e orgânicas.

Se você já tem um planejamento financeiro individual saiba que já está no caminho certo. Porém, para expandir o assunto para a sua família, você precisará adotar algumas técnicas diferentes, já que esse tipo de planejamento precisa do envolvimento de todos.

Neste post você vai ver 8 dicas para fazer com que a família se envolva totalmente nas finanças da casa e ajude você a trabalhar na redução de gastos necessária. Vale lembrar que é muito importante que todos os membros da família estejam envolvidos e engajados com a causa. Caso contrário, o planejamento financeiro pode não funcionar adequadamente.

Confira o post e saiba mais!

1. Mapeie todos os gastos familiares

O primeiro passo para um bom planejamento financeiro é mapear todas as despesas. No caso do planejamento familiar, isso é um pouco mais complicado, pois envolve gastos que você nem sempre tem controle.

Nesse sentido, até mesmo uma bala comprada pelo seu filho na saída da escola deve estar prevista no orçamento financeiro. Não é fácil convencer a todos sobre o quanto isso é importante, mas tente demonstrar, com números, de que maneira uma compra fora do planejamento pode afetar o resultado final.

Os gastos esporádicos podem facilmente colocar em risco todo o seu orçamento. Com esse mapeamento, você conseguirá identificar para onde o dinheiro está sendo direcionado e, consequentemente, poderá criar estratégias para o corte das despesas supérfluas, e então direcionar aquela quantia — gasta erroneamente — para algo que possa proporcionar um retorno positivo para as suas finanças pessoais.

2. Estabeleça metas individuais

Com as contas mapeadas, é hora de traçar metas para cada membro da família. Para isso, é preciso verificar quais gastos estão fora do padrão e de que forma é possível melhorar o desempenho.

As metas devem ser traçadas dentro da realidade de cada um. Para você, por exemplo, pode ser necessário abortar o cafezinho depois do almoço. Para o seu filho, a meta pode ser a adoção de opções de lazer mais baratas no fim de semana — e assim por diante.

Mas, para que tudo isso aconteça é essencial que todos estejam conscientes de que estabelecer metas é fundamental para alcançar seus objetivos e que, sem elas, não será possível chegar a lugar nenhum.

As metas existem para que você possa conquistar seus sonhos sem ter que acumular dívidas e gerar transtornos financeiros.

3. Crie o hábito de fazer o controle financeiro em grupo

O planejamento deve ser avaliado, no mínimo, a cada semana. Dessa forma, o ideal é reunir todo o grupo e passar conta por conta, verificando onde ocorreram desvios e o que pode ser feito para que a situação volte ao normal.

Todos precisam estar a par da atual situação financeira da família para que assim seja possível identificar onde estão os gastos em excesso e, então, analisar novos métodos para diminuí-los ou eliminá-los.

controle financeiro em grupo fará com que a família tenha uma reeducação financeira, aprendendo como o dinheiro deve ser usado da melhor maneira possível.

4. Recompense cada um dos membros da família

O orçamento não deve ser apenas punitivo: se você traçou metas é preciso criar recompensas, caso elas sejam cumpridas. Quem alcança os objetivos pode ser presenteado com um passeio especial ou um item de valor afetivo, por exemplo. Não deixe de recompensar os membros da família que realizaram um bom trabalho.

Essa atitude vai incentivá-los a melhorar cada vez mais. Com isso, à medida que novas metas são criadas, elas serão alcançadas com mais facilidade. Dessa forma, será possível melhorar seus rendimentos e a qualidade de vida da sua família.

5. Utilize a tecnologia a seu favor

Embora possam parecer muito úteis, as planilhas tornam o controle financeiro mais complexo e de difícil visualização. Procure encontrar um software de gestão orçamentária que permita que todos os membros da família possam fazer o monitoramento pelo celular, de uma forma prática e instantânea.

Dessa maneira, você poderá acompanhar seu planejamento financeiro familiar a qualquer hora e de onde estiver. Por exemplo, se você precisar efetuar uma compra que não esteja dentro do seu planejamento, é só acessar o software e analisar se aquela determinada compra vai prejudicar o seu orçamento. Bacana, não?

6. Crie um reserva de emergência

A reserva de emergência é muito importante para garantir a segurança financeira de sua família. Apesar de ser muito negligenciada pela maioria das pessoas, ela é fundamental para manter seu padrão de vida e evitar o acúmulo de dívidas em momentos de crise.

Mas qual é o valor exato para a reserva de emergência?

Para descobrir isso é preciso que você calcule qual é a quantia necessária para você pagar todas as suas despesas mensais e, então, multiplicá-la por seis.

Grosso modo, a reserva de emergência será o seu suporte para você se reerguer financeiramente, sem colocar em risco a sua saúde financeira.

7. Avalie e repense seus hábitos de compra

É do costume de muitas pessoas exagerar nas suas compras, principalmente, no supermercado. Porém, para que o seu planejamento financeiro familiar seja eficiente é necessário avaliar e repensar seus hábitos de compra.

Antes de adquirir qualquer produto, é de suma importância que você pergunte para si mesmo: “eu preciso realmente disso?”.

Se você não tem o costume de comparar preços, é necessário mudar esse hábito. Evite comprar somente produtos de marca, procure outras opções que ofereçam a mesma qualidade, mas por um preço inferior. Acredite: isso fará uma enorme diferença no final do mês.

8. Use o cartão de crédito somente quando for necessário

Se você não souber usá-lo, o cartão de crédito pode tornar-se seu grande inimigo. Isso porque os juros e multas cobrados por atraso no pagamento do cartão de crédito são altíssimos, podendo inclusive gerar uma dívida praticamente impagável.

Por isso, é importante que todos se conscientizem e utilizem o seu cartão somente quando for realmente necessário. Evite usá-lo em lugares em que se torna difícil o controle dos gastos, como em restaurantes, bares etc.

Viu só como você pode fazer um planejamento financeiro familiar eficiente e participativo? Por meio dele, todos poderão realizar seus sonhos sem precisar recorrer a empréstimos ou acumular dívidas. Você e sua família verão seu patrimônio crescer e, consequentemente, poderão educar financeiramente as suas próximas gerações.

Se você gostou deste post, então assine a nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos diretamente na sua caixa de e-mails!

Otto Assistente

O Otto é um assistente financeiro virtual feito para descomplicar as suas finanças através de uma interação inteligente, fácil e prática.

One thought to “Planejamento financeiro familiar: 8 dicas para colocar em prática!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *